TRANSFERÊNCIA DE GADO ENTRE FAZENDAS DE MESMO PROPRIETÁRIO NÃO GERA ICMS

TRANSFERÊNCIA DE GADO ENTRE FAZENDAS DE MESMO PROPRIETÁRIO NÃO GERA ICMS

Não constitui fato gerador de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) o simples deslocamento de mercadoria de um para outro estabelecimento do mesmo contribuinte. A tese, estabelecida na Súmula 166 do Superior Tribunal de Justiça, levou a 5ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Goiás a impedir que o estado cobre imposto pela transferência de gado entre duas fazendas de um mesmo proprietário.

O pecuarista relatou que desenvolve atividades de manutenção de matrizes bovinas e cria bezerros em propriedades rurais, situadas em Goiás e no Tocantins. Em determinadas épocas do ano, ele transfere os animais entre as duas fazendas porque precisa usar o pasto para a atividade pecuária.

O fazendeiro impetrou o mandado de segurança ao alegar que o Fisco goiano está exigindo a emissão de nota fiscal, com o destaque e pagamento do valor referente ao ICMS, sob pena de não permitir o deslocamento do rebanho entre as propriedades rurais.

Em sua defesa, o estado argumentou que a circulação de mercadorias constitui fato gerador de ICMS. Mas o relator, desembargador Olavo Junqueira de Andrade, avaliou que a movimentação do rebanho entre as fazendas do pecuarista não se trata de "transferência "˜jurídica"™ dos bens, mas apenas "˜fática"™".

Olavo Junqueira ainda destacou que a jurisprudência do STJ e do Supremo Tribunal Federal "está pacificada, no sentido de que não há incidência do ICMS nos casos de transferências "˜físicas"™ de bens entre estabelecimentos do mesmo proprietário". O voto foi acompanhado por unanimidade.

Fonte: Consultor Jurídico